Porque é que amo Karl Lagerfeld e fiquei de rastos com a sua morte

O luxo é com­bi­nar a espon­ta­nei­da­de de uma t‑shirt com um ves­ti­do mui­to dis­pen­di­o­so” dis­se o Kai­ser, como Karl Lager­feld era conhe­ci­do no meio da moda. Esta é, das fra­ses que lhe são atri­buí­das, aque­la com que mais me iden­ti­fi­co. Não nas­ci par­ti­cu­lar­men­te deten­to­ra de uma bele­za clás­si­ca, em vez dis­so, des­de mui­to cedo, per­ce­bi que Ler Mais …

O Guardador de Sabedorias

Dir-se-ia que ele per­so­ni­fi­ca­va o autên­ti­co pilar essen­ci­al de um mun­do em vias de extin­ção, onde a hon­ra e a vir­tu­de eram mais impor­tan­tes que o “poli­ti­ca­men­te cor­re­to”. Quan­do o lei­te, como ali­men­to indis­cu­tí­vel, pro­vi­nha da vaca e os “sem glú­ten” ain­da não tinham con­quis­ta­do o pala­to do povo.

A sua con­ver­sa total­men­te “démo­dé”, não acu­sa­va, assim, os fil­tros “ins­ta­gra­mi­cos”, pelo que incluía amiú­de os pro­vér­bi­os, *PETA- cen­su­ra­dos, do tipo “Pegar o toi­ro pelos cor­nos” ou “Matar dois coe­lhos de uma caja­da­da só”. Ler Mais …